#compartilhe

Metade dos feminicídios em 2016 foram cometidos com arma de fogo

Foram 2.339 vítimas de arma de fogo, 560 dentro da própria casa.

Publicada em 16/01/2019, 14:30

Full pt1

O Brasil é o quinto país que mais mata mulheres no mundo, agora com o decreto sobre posse de armas que Jair Bolsonaro assinou nesta terça-feira (15), os índices de feminicídio podem aumentar. De acordo com o levantamento feito pelo Instituto Sou da Paz, só em 2016, metade das mulheres assassinadas foram vítimas de armas de fogo, segundo noticiou o site O Globo.

Se 2019 já começou com 67 casos de assassinatos de mulheres só nos 13 primeiros dias do ano, a medida adotada por Bolsonaro pode piorar ainda mais a situação.

“Essas mortes são evitáveis e como que nós a evitamos? A gente pega esses indicadores de letalidade e os neutraliza com inibidores de risco, e um dos mais importantes inibidores de risco é cessar o acesso a armas de fogo”, afirma a cofundadora da Rede Feminista de Juristas (DeFEMde), a advogada Marina Ganzarolli.

Em 2016, foram 2.339 mulheres assassinadas com arma de fogo, 560 desses crimes ocorreram dentro de casa. Para a cofundadora da DeFEMde, facilitar a aquisição de armas é contribuir para mais casos de violênciadoméstica e mortes de mulheres no Brasil.

“Diversas pesquisas trabalham com indicadores de risco nos casos de violência doméstica, um desses indicadores é o acesso a armas de fogo, porque quando o homem tem o momento de explosão – que é o momento de agravamento do ciclo de violência, que depois vem seguido de pedidos de perdão, de falas de que vai melhorar – se ele tiver uma arma ao seu alcance, ele vai usar”.

A porcentagem de feminicídios envolvendo armas de fogo por estado é: Rio Grande do Norte (75.8%), Alagoas (71%), Sergipe (64,4%), Ceará (64,1%), Rio Grande do Sul (61,7%), Pará (60,1%), Paraíba (59,8%); Bahia (59,4%), Goiás (54,9%). Espírito Santo (53,5%) e Maranhão (52,5%).

Um levantamento feito pelo Ministério Público de São Paulo, entre março de 2016 e março de 2017, mostrou que 85% dos agressores de mulheres eram companheiros ou ex-companheiros das vítimas. Namorados e ex-namorados corresponderam a 12%.

Existe um mito sobre esse tipo de violência de que as vítimas são apenas mulheres submissas, e com base nessa mentira se justifica o uso de armas como proteção, mas isso não é verdade, a violência contra mulher, principalmente a doméstica, é um ciclo muito bem planejado pelo agressor, que começa com pequenos atos e vai crescendo.

“Conheço um caso de feminicídio de uma delegada que para essa profissão treinou muito o uso de armas de fogo, ela portava uma arma e foi assassinada pelo marido com uma arma branca. A violência psicológica e moral é capaz de imobilizar mesmo a mais experiente das mulheres que possui arma, essa ideia de que a mulher se defenderia com uma arma de fogo é uma ilusão sem fundamento”, alertou a advogada.

Armar mulheres não vai acabar com o estupro

Um dos argumentos utilizados por Bolsonaro para justificar o decreto da posse de armas é que as mulheres as usariam para se defender, principalmente em casos de estupro. Para Marina Ganzarolli, essa explicação não faz sentido. Segundo o Atlas da Violência 2018, 68% das vítimas de estupro são menores de idade, desse número, 50,9% são meninas menores de 13 anos e 27% possuem entre 14 e 17 anos.

“Eu acho improvável que uma menina de 13 anos vai usar uma arma de fogo para se defender. Essa justificativa vem de alguém que não tem o menor conhecimento sobre políticas de  segurança pública adequadas para o enfrentamento desse tipo específico de crime”, afirmou a advogada.

O Atlas da Violência mostra também que cerca de 10,3% das vítimas de estupro possuem alguma deficiência, sendo 31,1% desses casos deficiência mental e 29,6% transtorno mental.

“O estupro de beco, de terreno baldio não representa nem 6%, a maior parte dos estupros é cometido dentro de casa, e o agressor é conhecido da vítima, é um homem adulto abusando de uma criança que nem imagina que pode se defender, a reação natural na grande maioria dos casos é a total imobilidade da vítima que entra em estado de choque”, explicou Marina.

Mesmo nos casos em que envolvem mulheres adultas, a maior parte das agressões acontecem quando elas estão em estado de vulnerabilidade, normalmente são drogadas, ou estão bêbadas. “Em um momento que ela não tem condições de reagir, porque foi drogada, ou porque está bêbada, desacordada, nesse cenário ela não tem como usar uma arma de fogo”, denunciou.

Da Redação da Secretaria Nacional de Mulheres do PT com informações do Globo

 

Fonte: pt.org.br


Veja mais

Thumb pt1

Escândalo!

Fraude com CPF permitiu esquema de WhatsApp de Bolsonaro


Thumb twitter

Injustiça

#100DiasDeInjustiça é o assunto mais comentado no Twitter


Thumb pt3

Declaração

Fachin disse que Brasil deve respeitar tratados internacionais


Thumb pt3

Mobilização

#EleNão: Mulheres lideram marcha de 500 mil contra o fascismo


Thumb pt5

Fake News

Sardenberg insiste em fake news sobre determinação da ONU


Thumb lula3

Veto

Juíza nega pedido da imprensa de entrevistar Lula


Thumb pt4

Apoio

Mais de 700 artistas já declaram apoio a Haddad e Manu em manifesto


Thumb pt15

Ameaça

LGBTs antecipam casamentos, com receio de retrocessos em 2019


Thumb pt4

Repercussão

Imprensa internacional repercute decisão do TSE contra Lula


Thumb pt2

Esclarecimento

NOTA À IMPRENSA


Thumb pt

Parlamentar europeu defende liberdade de Lula em ato em Portugal


Thumb pt5

Mídia

Conferência visa construção de estratégias


Thumb pt1

Liminar

Lula requer ao TSE que reconheça seu direito de dar entrevistas


Thumb pt6

Perseguição

Boulos: “Essa é uma luta de todos que defendem a democracia”


Sindicalistas criam Núcleo Pela Democracia e Contra o Golpe


Thumb pt4

Determinação

Decisão sobre Lula é de cumprimento obrigatório, diz advogados


Thumb pt2

Homenagem

Vencedores do ‘Brasileiros do Ano’ homenageiam Lula; Doria se irrita


Thumb pt6

Ato

Brasileiros em Londres saem às ruas por Lula e contra fascismo


Thumb geisa4

Nota

Defesa de Lula desmente fake news do Estadão sobre laudo da PF


Thumb pt3

TSE

Nota da coligação “O Povo Feliz de Novo” à imprensa


Thumb pt3

Campanha

#EleNão: Famosas aderem à campanha contra Bolsonaro nas redes